PAPO DE CRAQUE: MARCIO GRIGGIO

 

(29 de maio de 2020)- Ele iniciou no futebol atuando pelo XV de Jaú. Depois passou por clubes como Juventus, Santos, Portuguesa e Coritiba até ser contratado pelo Azulão, onde vivenciou os melhores momentos da carreira.

Pelo São Caetano foram 106 jogos realizados e 25 gols marcados, tornando-se assim o nosso 10º principal artilheiro. Peça fundamental nos acessos conquistados na Série A-3 do Paulista e Série C do Brasileiro em 1998, permaneceu no Anacleto Campanella ao final da sua carreira.

Já como técnico na base azulina, dirigiu nomes que hoje brilham no cenário nacional como Matheus Henrique (Grêmio) e Nonato (Internacional).

De volta ao São Caetano neste ano, após passagem pelo Sub-17 do Santos, primeiro atuou na função de gerente da base antes de assumir o posto de executivo de futebol no time profissional.

Este é Marcio Griggio, o nosso entrevistado do PAPO DE CRAQUE desta sexta-feira:

São Caetano: Quem foi o seu maior ídolo no futebol?

Marcio Griggio: Zico.

São Caetano: Quem foi o melhor jogador que você enfrentou?

Marcio Griggio: Enfrentei muitos, mas vou citar um nome: Romário.

São Caetano: Quem foi o seu melhor companheiro de time?

Marcio Griggio: Tive vários. Mas também vou citar um: Marcelo Sangaletti.

São Caetano: Cite uma partida inesquecível na sua carreira?

Marcio Griggio: Santos x Palmeiras em 1993. Jogando pelo Santos, vencemos por 3 a 1 e fui considerado o melhor da partida.

São Caetano: Um jogo inesquecível pelo Azulão?

Marcio Griggio: São Caetano x Avaí em 1998. Foi inesquecível porque precisávamos da vitória para conquistar o acesso à série B e fiz o gol no finalzinho do jogo, de cabeça. 1 a 0.

São Caetano:  Um gol inesquecível que marcou?

Marcio Griggio: Gol pelo Santos contra o Flamengo no Rio São Paulo de 1993, quando vencemos por 4 a 3. A Vila estava lotada. O Flamengo com uma equipe fantástica e fiz o primeiro gol com um belíssimo chute de fora da área, no ângulo.

São Caetano:  Um gol inesquecível que você marcou pelo São Caetano?

Marcio Griggio: Gol de pênalti contra o Palmeiras na Libertadores de 2001. Com uma cavadinha no Marcos.

São Caetano: O melhor jogador que você viu ou atuou junto no São Caetano?

Marcio Griggio: Muller.

São Caetano: O jogador mais resenha que você conheceu no futebol?

Marcio Griggio: Zinho(atacante do São Caetano).

São Caetano: O que você pode falar para o garoto que quer ser jogador de futebol, assim como você foi?

Marcio Griggio: Tenha muita disciplina e dedicação.

São Caetano: Você já passou por diferentes funções dentro do São Caetano. O que você aprendeu em cada uma delas

Marcio Griggio: O São Caetano para mim foi e é um constante aprendizado em todas as funções. É impossível citar o que aprendi em cada uma. Aprendi e continuo aprendendo muito a cada dia. Joguei, fui técnico e sou gerente. É uma grande história vivida com muita intensidade e dedicação no clube do meu coração.

 

Fotos 1 e 3: Fabrício Cortinove

Foto 2: Arquivo pessoal/Marcio Griggio 

Assessoria de imprensa: Fabrício Cortinove